Resenha

A Aliança aproxima-se do terceiro ano de sua fundação. Esse processo reúne pessoas de diferentes matizes e com atuação hiper diversificada: estão ali alguns dos nossos mais velhos, por exemplo. Foram eles os que estiveram “no fronte” durante anos, pavimentando os caminhos pelos quais passamos hoje, para além do campo saúde da população negra, hoje estruturado no país. Soma-se a isso a política de cotas na área de educação; a defesa dos trabalhadores na relação com o Estado; o reconhecimento dos Terreiros como núcleos de promoção da saúde; o direito à moradia digna e água potável; a valorização da cultura africana/afro-brasileira e tantas outras pautas que se fizeram presentes na agenda do movimento negro brasileiro.

Os antecedentes dessa rede, são múltiplos e diversos, tal como todo o seu referencial, que para além da produção científica inclui as lições aprendidas com Edna Muniz, Maria do Carmo Sales Monteiro, Lúcia Xavier, Fernanda Lopes, Jurema Werneck, Fátima de Oliveira e um monte dessas mulheres para quem não dá para dizer “parabéns pelo dia 08 de março” porque seríamos nós os questionados, uma vez que aquela é uma data de luta e que pouco alcança, se alcança as mulheres negras brasileiras. Que bom ter boas referências!

As desigualdades são tantas, que a Aliança nasceu justamente em função delas. Era o Terreiro mobilizado quem na Câmara dos Vereadores questionava seu próprio modelo de articulação e embora excluído de diferentes momentos históricos e por vários setores dessa sociedade racista, compreendia que era fundamental que todos estivéssemos em sintonia, na mesma roda e assim o Xirê nos ensinava que antes de qualquer coisa, era preciso cuidar da nossa casa. Se para as questões de aids, as religiões afro-brasileiras já tinham alicerce estabelecido no município de São Paulo, seria preciso então, mais investimentos por parte de todos e todas nós, para que a nossa agenda política obtivesse incidência sobre a atuação dessas instituições que nos matam todo dia um pouquinho.  

Naquele momento, o monitoramento conjunto, o desenvolvimento e a promoção de ações pró-saúde da população negra eram a razão pela qual, apostávamos em um projeto comum, capaz de dialogar com a realidade encontrada no território de pessoas tão diferentes que se reúnem sobre a marca política contida no termo “população negra”, mas que são diversas e plurais.

Hoje, consolidar uma rede como a Aliança é um desafio intenso, que demanda comprometimento e envolvimento de todos os atores, razão pela qual, o fórum permanente criado em 2018 para a ampliação desse debate, soma-se aos encontros da rede e as demais estratégias de que a Aliança lançou mão ao longo de sua existência.

Diante da importância dessa data, nós, membros da Aliança Pró-Saúde da População Negra, queremos agradecer pelo apoio, dedicação e o aprendizado obtido até aqui, junto de todos os parceiros e todas as parceiras com quem trocamos pelo caminho. Mas queremos vacina, queremos um Ministério Saúde eficiente, que cumpra a lei e os acordos oriundos da reforma sanitária; um governo potente que nos beneficie ao invés de nos matar diariamente; mais que um auxílio emergencial de R$250, queremos políticas sociais que de fato alcancem as pessoas que mais precisam delas; queremos equidade nos processos e decisões relacionados ao desenvolvimento do Brasil atual; queremos respostas às necessidades básicas da população negra brasileira; a condenação as assassinos de Marielle, Anderson e todos aqueles meninos negros vítimas do genocídio impetrado historicamente pelo Estado brasileiro; queremos o sepultamento digno de nossos familiares e o direito de viver bem e com dignidade.

No terceiro ano de fundação da Aliança, comemoramos o fato de que seguimos juntos e juntas até aqui, com a benção de todos os santos e a capacidade instalada entre nós, a partir de nossos ancestrais. No entanto, queremos nesse momento manifestar o nosso repúdio aos atos crimes que marcam a atual história desse país, a começar pelo ataque constante ao SUS e a democracia. Registramos a nossa homenagem e nossos agradecimentos a cada um dos e das profissionais de saúde que estiveram na linha de frente da resposta à pandemia de covid-19 ao longo desse um ano, mas repudiamos a ausência da vacina, a ausência de política em resposta ás questões relacionadas à pandemia, a interrupção da vacinação em determinados Estados, a falta de equidade nesse processo uma vez que a população negra brasileira foi a maior vítima de óbitos e demais perdas em decorrência do coronavírus – e isso inclui o povo quilombola – e o constante uso político de nossa imagem por esse desgoverno, que só faz desmontes, mortes e perdas desde que se entende líder dessa nação chamada Brasil.

Aliança Pró-Saúde da População Negra: observatoriopopnegra@gmail.com

Religiões Afro-Brasileiras e Saúde

Produzido pela Rede Nacional de Religiões Afro-brasileiras e Saúde, em parceria com o Ministério da Saúde, O Cuidar nos Terreiros é um documentário que enfatiza as práticas de acolhimento, cuidado e atenção à saúde integral das pessoas, de forma genuína, a partir das diferentes tradições de matrizes africanas e o saber ancestral, contido na relação entre os homens e os Orixás. Sabe-se que, para muitos, o Terreiro é o hospital, responsável número um, e talvez único, de muita gente que não tem acesso e seu direito à saúde garantido, muito embora a saúde seja um direito humano e, uma política de Estado, no Brasil. Confira!

São Paulo: a Aliança avança com mais um ato da mobilização pró-saúde da população negra.

*Da Aliança

Na última semana, a rede pró-saúde da população negra criada pela Aliança realizou mais uma vez o seu encontro para discussão da política de saúde da população negra. Aquele é um encontro quinzenal, realizado virtualmente, que reúne as lideranças com atuação na área, pesquisadores, profissionais de saúde e demais pessoas interessadas no tema.   

É na prática, um espaço político de mobilização da sociedade civil em resposta ao racismo. É a oportunidade de escuta, acolhimento, diagnóstico da política atual, definição de estratégias conjuntas e de parcerias entre as lideranças, que se soma ao Fórum de mesmo nome, que populariza o tema por meio do Youtube.

“Fico esperando sempre esse momento porque ele é um encontro político, mas também afetuoso e acolhedor, que só cresce. É encontro rico e cheio de trocas” definiu Flip Couto, Diretor Executivo da Aliança no encerramento do encontro.

Aquele foi um encontro produtivo, em que pudemos dialogar sobre a importância do Ministério Público, o Disque 100, o Disque Denúncia e a DECRADI – Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância, enquanto mecanismos e ferramentas para a garantia dos direitos básicos e fundamentais das pessoas, diante da intensa violação de direitos de que são vítimas constantemente. Essa discussão é parte da Agenda 2020-2023 da Aliança, que está em debate com os membros da rede desde o início do ano. A Agenda é composta por objetivos macros, metas audaciosas e tarefas centrais para a mobilização da sociedade civil e o monitoramento das políticas em atenção à saúde da população negra. Com calendário fixo, o encontro da rede acontece de forma remota, mas sempre acolhendo outros atores, de diferentes municípios e com realidades diversas, razão pela qual o seu maior produto tem sido a ampliação das parcerias entre nós.   

No próximo, dia 25 de março, a pauta será a consolidação da rede criada pela Aliança, que fará aniversário em abril. Para além do conceito de rede mais adequado para esse processo, queremos dialogar sobre os desafios, os avanços, o progresso e as experiências relacionadas ao tema. Venha participar e chame os demais par contribuir com mais esse debate!

Informações: observatoriopopnegra@gmail.com

Parceria!

A Aliança Pró-Saúde da População Negra celebra a sua integração com o Coletivo Vidas Negras com Deficiência Importam. Em reunião formal no mês de Fevereiro, quinta-feira (25), o VNDI – Brasil selou sua inserção para somar forças e contribuir com a Aliança na troca de conteúdo, administração de formação para membros, articulações para atos e apoio mútuo para atender às necessidades daqueles que buscam acolhimento em suas demandas através destas organizações. 

Sobre o VNDI:

“Somos um movimento criado por pessoas negras, pessoas com deficiência e principalmente por pessoas negras com deficiência na busca por uma sociedade antirracista e anticapacitista. Nossa atuação ocorre por meio das redes sociais com um trabalho de conscientização, formação e apoio, e com ações coletivas por meio de atos e manifestações públicas, sempre em diálogo com os atravessamentos existentes com outros movimentos sociais. Prezamos pelo acolhimento das pessoas com deficiência, seus familiares e cuidadores, e pela promoção da dignidade da pessoa humana, a favor da neurodiversidade com qualidade de vida, entendendo a deficiência como parte da diversidade humana, assim como assegura a Convenção Internacional sobre Direitos da Pessoa com Deficiência e a Declaração Universal dos Direitos Humanos”.

Para saber mais, acesse o  site: https://www.vidasnegrascomdeficiencia.org/

Mobilização pró-saúde da população negra: um ato constante!

Liderada por Flip Couto, dia 25 de Fevereiro a Aliança realizou mais um encontro de sua rede, discutindo um tema importante muito caro para todos nós: a mobilização popular, articulação, monitoramento e controle social da política de saúde da população negra. Para além dos laços, vínculos e afetos, o encontro dessa rede tem se tornado um importante espaço de articulação entre os movimentos negros dedicados a questões diversas e para além da saúde pública. Esse encontro destinava-se ao debate sobre a relação com os Conselhos e conselheiros de saúde – de diferentes movimentos sociais que negam a importância do tema -, ampliando o debate entre as lideranças, que apontaram questões anteriores, como no caso da necessária participação e o envolvimento das pessoas no processo político, que determina quem tem direito de viver e usufruir de recursos, bens e serviços na sociedade racista, que cada vez mais aposta no genocídio como centro de sua atuação. Geralda Marfisa, lembrou, por exemplo, que a ida à conferência municipal de saúde, agora virtual, tem desafios importantes que são anteriores ao evento: os territórios têm gestores da política de saúde da população negra, mas as lideranças não conhecem esses interlocutores que dizem estar fazendo um bom trabalho, mas aparentemente desarticulados da sociedade civil, a maior interessada no tema.

Os desafios na condução da política de saúde da população negra incluem a forma como acontece esse diálogo que deve primar pela parceria entre as partes: gestores, profissionais de saúde e usuários do sistema, mas essa não é a realidade de toda cidade. A atuação conjunta entre as lideranças comunitárias e em plena articulação com o poder público demanda a discussão sobre a possibilidade de ações concretas e conjuntas nas diferentes regiões de saúde – escritórios do governo local – visto que tais atores possuem responsabilidades múltiplas e diversas, mas complementares.

“Eu nunca vi um agente de saúde” relatou Anderson, de Porto Alegre, diante da relação com o serviço de saúde, sempre muito complicada naquela região, o que difere de Mãe Silvia, para quem “Araraquara tem política de saúde da população negra, com o acompanhamento da sociedade civil”, o que inclui, como no caso dela, os Terreiros da cidade” A mobilização da sociedade civil em tempos de COVID priorizou a importância das redes virtuais, mas precisa ser potencializada, de forma que a informação de fato chegue até as pessoas que mais precisam dela.

É com essa perspectiva que a Aliança avança, desenhando parcerias estratégicas em atenção à saúde da população negra, o que significa em primeira instância fazer as pontes necessárias para que os movimentos sociais se fortaleçam e construa coletivamente os caminhos necessários para a implementação da política em âmbito local, conforme a necessidade das pessoas.

O Encontro da Rede Pró-Saúde da População Negra, celebrou a parceria estabelecida com o Vidas Negras com Deficiência Importam, com quem trocará conteúdos, possibilidades de formação conjunta, articulações no âmbito da atenção às necessidades das pessoas atendidas por ambas as organizações e alimentação das redes sociais dessas duas frentes que agora se somam.

O próximo encontro acontecerá dia 11 de Março, para debater as “Ferramentas e estratégias para promoção da equidade em saúde” e novamente, a sociedade civil terá nesse espaço a possibilidade da troca e do aprendizado coletivo, para o enfrentamento do racismo e seu impacto na saúde da população negra. O encontro acontece logo depois do Fórum em que a Aliança discutirá com Mônica Calazans, as questões relacionadas ao COVID-19, a vacina e como o racismo opera nesse processo em que é preciso equidade, universalidade e integralidade. E assim vamos tecendo nossa rede!