A Década da Igualdade Racial no Brasil será tema de seminário organizado pela PUC – Rio de Janeiro

Foto: PUC Rio de Janeiro

Já estão abertos os prazos de inscrição e para submissão de trabalhos para o Seminário A DÉCADA DA IGUALDADE RACIAL NO BRASIL: Trajetórias e Percursos das Políticas de Igualdade Racial.

Contando com apoio da FAPERJ, o seminário será virtual e ocorrerá entre os dias 13 e 15 de abril de 2021, na parte da noite.

O evento é interdisciplinar e tem sua composição integral de mulheres negras como palestrantes, moderadoras e coordenadoras de GT.

Os trabalhos poderão ser enviados até o dia 12 de fevereiro de 2021 para os Grupos de Trabalho:

GT1: Educação e ações afirmativas;

GT2: Gênero, raça, sexualidade e relações de poder;

GT3: Saúde da população negra;

GT4: Territórios quilombolas e políticas públicas;

GT5: Religiosidades de matrizes/motrizes africanas, Racismo religioso e igualdade racial;

GT6: Direito e Relações Raciais;

Encorajamos o envio de trabalhos por estudantes, profissionais, acadêmicxs, não-acadêmicxs,  ativistas, etc.

Haverá a publicação de todos os artigos selecionados em Anais e os melhores trabalhos serão publicados em livro.

Para participar dos Grupos de Trabalho, interessadas deverão submeter os ARTIGOS (vide seção 4, infra) na plataforma de envio no site https://www.even3.com.br/decadaigualdaderacial/ até o dia 28 de fevereiro de 2021, às 23h59.

Confira o edital em: https://www.even3.com.br/decadaigualdaderacial/

Conheça a FONATRANS

Neste 29 de Janeiro, Dia da Visibilidade Trans e Travesti, data que marca a ida de mulheres travestis e pessoas trans no Congresso Nacional em 2004, a fim de reivindicar direitos, marca-se a importância de conhecermos a trajetória contada pelas pessoas que construíram e constroem essa luta, composta em sua maioria por travestis e pessoas trans negras. Neste sentido perguntamos: Você conhece o FONATRANS?

O Fórum Nacional de Travestis e Transexuais Negras e Negros – FONATRANS, segundo informações de seu portal, constitui-se num espaço nacional de inclusão e aglutinação à militância destes dois segmentos. O FONATRANS tem por finalidade básica desenvolver e apoiar projetos que visem:

Promover e Cobrar do Estado Brasileiro solução dos problemas fundamentais e lutar por conquistas para o bem comum de pessoas travestis e transexuais negras e negros, bem como atuar de forma veemente no enfrentamento ao racismo, transfobia e a intolerância religiosa e promover os direitos humanos bem como respeito a todas as diferenças, partindo do princípio que todos os direitos são direitos humanos.

A presidenta da FONATRANS é a Jovanna Cardoso (Jovanna Baby) mulher negra e travesti que liderou os primeiros movimentos transexuais no Brasil, fundadora da primeira entidade trans brasileira e latino-americana, a ASTRA. Hoje, além de representar o FONATRANS, Jovanna é Coordenadora Municipal de Direitos Humanos em Picos, no Piauí, e reconhecida pela criação do movimento de transexuais no Brasil. e representa o Fórum Nacional de Travestis e Transexuais Negras e Negros.

Em entrevista à Ponte Jornalismo Jovanna afirma que:

“O Fonatrans nasce da necessidade de ter uma discussão específica sobre negritude e transexualidade. Nós, travestis dos anos 90, e ainda hoje, sofremos muito mais por ser travesti e preta do que qualquer outra coisa”. Ela aponta na entrevista que  apesar de corpos trans negros serem os mais violentados e assassinados, são esses mesmos corpos que ajudaram a fundar o movimento trans e que compõem suas fileiras institucionais e políticas, visto o número de parlamentares trans negras eleitas para as câmaras municipais do Brasil.

“Não temos mais como desassociar(…) A maioria eram homens e mulheres pretas, isso [aconteceu] muito antes de existirem paradas LGBT Brasil afora” se referindo a primeira caminhada do grupo trans no Rio de Janeiro nos anos 90. Na chamada do 2° Festival Traviarcado, de 2020 “O Fonatrans acredita que não existe revolução LGBTI sem que travestis e transexuais negras e negros ocupem espaços como protagonistas e tenham suas pautas políticas respeitadas dentro dos movimentos sociais”. Festival aliás que se encontra na 3ª edição e teve sua abertura em evento online no último dia 28.

Para saber mais acesse o no portal da Como Nasceu o Movimento de Travestis no Brasil

http://www.fonatrans.com/p/historico-do-movimento-de-travestis-no.html

Acompanhe as Redes da FONATRANS

 Que possamos trazer essas reflexões em todos os temas que atravessarão este ano, em todas as pautas, em especial às pautas da saúde da população negra. Que quebremos as barreiras que este CIStema e que o “Vidas Negras Importam”, de fato abarque todas as vidas negras, que abarque as vidas trans negras.

Fontes: