Novidades

Ocupação do 13 de Maio

Em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil

O racismo segue ausente nas discussões do processo eleitoral de 2022.

A Ocupação 13 de Maio (dia em que a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra foi publicada pela União, em 2009), tem como objetivo a realização de diferentes ações articuladas a partir do “Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil”, ao longo de todo o dia 13 de Maio de 2022, com atividades presenciais e virtuais em diferentes regiões do país.

A Ocupação 13 de Maio (dia em que a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra foi publicada pela União, em 2009), tem como objetivo a realização de diferentes ações articuladas a partir do “Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil” com atividades presenciais e online.

As ações, diversificadas, acontecerão sob coordenação de diferentes organizações, redes e movimentos sociais, reunindo ativistas, intelectuais, lideranças de religiões afro-brasileiras, gestores, trabalhadores e trabalhadoras da saúde, ressiginificando o “Dia da Abolição da Escravatura”.

Tais atividades visam a mobilização da sociedade o enfrentamento do racismo e a necessária promoção da equidade em saúde, ampliando o debate apresentado pelo Manifesto organizado por diferentes organizações e pessoas.

O Manifesto encontra-se disponível aqui e aguarda por sua assinatura!

Confira abaixo o conjunto das atividades:

Rio Grande do Sul

Porto Alegre, João Pessoa, São Paulo – 13 de Maio, 17h

Debate: “Conexão Saúde – Reflexões Pandêmicas

Organização: ACARMO LBT NEGRITUDE, COLETIVO AGBA, COLETIVO 3 DIGITAIS NEGRAS

Leila Lopes, Joelma Cezário, Jana GIl

meet.google.com/mak-tixh-zro 

Mais informações: 3dnegraslestics@gmail.com

Pará

12 de Maio, 19h30

Live: “Saúde da População Negra e Eleições 2022”

Organização: Programa Pensar Africanamente

Convidados: Roseti Araújo; Lívia Ferreira; Hilton P. Silva; Kota Mulangi e Silvany Euclênio (mediadora)

Youtube: https://youtu.be/gFTHFX0gwyk

Mais informações: hdasilva@ufpa.br   

Belém, 13 de Maio, 11h

Webinario – Por quê a Saúde da População Negra deve ser debatida nas eleições de 2022

Organização: Laboratório de Estudos Bioantropológicos em Saúde e Meio Ambiente (LEBIOS/CNPq)

Convidados: Malungu, NEAB-CEAM-UNB, UFPA, GT racismo e saúde-brasco

Instagram: @lebiosufpa  

Mais informações: hdasilva@ufpa.br 

Belém, 13 de Maio, 16h

Debate – Saúde das Mulheres Negras LBTs na Amazônia Paraense: O impacto do Racismo e da LesbiTransfobia na saúde pública de Belém, Altamira e Abaetetuba

Organização: Coletivo Sapato Preto – Lésbicas Negras Amazônidas

Convidadas: Dra. Flávia Câmara, Dra. Patrícia Gomes, Sra. Dandara Rudsan

Página do Coletivo no YouTube: https://youtube.com/channel/UCUU3X2unOyvNZpXTvCq8VHw

Mais informações: sapatopretoamazonida@gmail.com

Castanhal, 13 de Maio, 19h

Roda de Conversa: “Capoeira como saúde social”

Convidados: Mestres de Capoeira em Castanhal-PA

Organização: Coletivo de Capoeiras de Castanhal

Página da ASCONQ

Organização: denilsonegro@hotmail.com

Pernambuco

Caruaru, 13 de Maio, 09h

Sessão de Vídeos

Organização: Centro de Prática e Pesquisa N’Golo Capoeira Angola

Convidados: Membros do Centro de Prática e Pesquisa N’Golo Capoeira Angola        

Páginas do Centro no Youtube

Vídeo 1: https://www.youtube.com/watch?v=eEMc_H301_s&t=16s 

Vídeo 2: https://www.youtube.com/watch?v=xRWru9IoEcw 

Vídeo 3: https://www.youtube.com/watch?v=-l6b99-R-rY

Mais informações: silvafelix.junior@gmail.com

Recife, 13 de Maio, 10hs

Fórum Educação Permanente em Saúde da População Negra: “O papel da educação permanente na construção da atenção à saúde da população negra”

Convidados: Josė Carlos Silva, Rose Santos, Marta Almeida, Altair Lyra

Organizador: Pesquisador, UFPE

@ufpe

Informações: carlossilvan2003@yahoo.com.br

Caruaru, 13 de Maio, 17:30h

Seminário: “Capoeira Angola: Influências na saúde física e mental”

Organização: Centro de Prática e Pesquisa N’Golo Capoeira Angola

Convidados: Trenel Félix, Centro de Prática e Pesquisa N’Golo Capoeira Angola

Meet

Mais informações: silvafelix.junior@aliancaprospn

Rio Grande do Norte

Natal,  13 de Maio, 19hs

Debate: “Bora escurecer algumas coisas…”

Organização: Movimento Mulheres na Contramão

Convidado: Eustaquio – Projeto Asili Yango

Instagram @andyesouza

Mais informações: ars.meraki@gmail.com

Brasília

Distrito Federal, 13 de maio, 20h          

Live: “A saúde no Brasil e o desafio da integralidade do cuidado para a população negra”          

Organização conjunta DF/PE: AME, UNA LGBT Brasil e UNEGRO

Convidados: Andrey Lemos, Conceição Silva e Damiana Neto     

Instagram @unegrobrasil  

Mais informações: damiana.neto4@gmail.com 

Maranhão 

São Luís, 13 de Maio, 16h

Roda de Conversa com Mulheres Negras: “O impacto do Racismo na saúde das Mulheres Negras”

Organização: Associação dos Blocos Tremendões

Convidada: Professora Lúcia Dutra

Mais informações: analuisaist@gmail.com

São Luís, 13 de Maio, 17h30

Reunião para Introdução da disciplina Saúde da População Negra nos cursos de Medicina, Enfermagem e Programas de Pós-Graduação 

Organização: UFMA – Universidade Federal do Maranhão

Convidado: Prof.  Dr. Luís Eduardo Batista – USP  

Googlemeet

Mais informações: istvan.varga@ufma.br 

Rio de Janeiro, 13 de Maio, 09h

Debate: “O impacto do racismo da saúde pública e global”

Organização: PUC-Rio

Paula Torracca

Mais informações: paula.torracca@outlook.com

Rio de Janeiro, 13 de Maio, 15h

Lançamento: Vídeo – Mortalidade Materna de Pessoas Negras que Gestam no Brasil

Organização:  CRIOLA – Organização de Mulheres Negras

Convidada: Lia Manso, coordenadora de Projetos em Criola

Instagram de Criola: https://www.instagram.com/ongcriola/ 

Mais informações: juliatavares@criola.org.br 

Petrópolis, 13 de Maio, 12h

Ato na UNIFASE/RJ: “Discriminação no dia a dia”

Organizador: Grupo de Trabalho REGAR da UNIFASE/FMP/RJ

Convidados: Nathália Matola Lima (membro do GT antiracismo da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade), Paulo K de Sá (Coordenador da Faculdade de Medicina de Petrópolis/UNIFASE)

Presencial – Hall de entrada da UNIFASE

Informações: paulosa@unifase-rj.edu.br

Bahia

Salvador, Dia 13 de Maio, 9h30

Roda de Conversa: “Educação e Desconstrução do Racismo”

Organização: Centro de Evangelização da Periferia de  Salvador e “Grupo de Jovens Liberdade Já!”

Convidada: Vilma Reis ( Socióloga e Selma Sena (Bióloga)

Google Meet

Informações: celiaregina.contatos@hotmail.com

Salvador, dia 13 de Maio  

Roda de Diálogos

Organizadora: Associação Papo de Mulher

Convidados: Assistente Social Tânia Nogueira, Raimunda Oliveira

Mais informações: nini_renilda@hotmail.com

Vera Cruz, 13 de Maio, 20h

Ocupação Cultural: “Samba, Som, Saúde da População Negra”.   

Organização: Rede Nacional de Promoção e Controle Social da Saúde, da Cultura e dos Direitos das LesBicas Negras (Rede Sapatà)   

Convidadas: DJ Nanda Machado, Virgínia Lane

@sapalesbinegras e @liviaferreira@1969

Mais informações: liverferreira@gmail.com

São Paulo

São Paulo, 13 de Maio – o dia todo   

Campanha: Saúde da População Negra em Debate – post’ e vídeos

Organização: Aliança Pró-Saúde da População Negra

Instagram @aliancaprospn 

São Paulo, 13 de Maio – o dia todo

Mostra de documentários: Documentário Ewe – o conto das folhas sagradas; Projeto Awom Obirim e o fortalecimento da saúde mental; O Cuidar dos Terreiros.

Organização: RENAFRO/Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde – SP

Página da Renafro, Associação, Larayo, Página Pessoal, Rádio ACAAPESP  

Mais informações: renafro.nucleosp@gmail.com

São Paulo, 13 de Maio, 10h

Debate: “O direito à cidade a partir de uma perspectiva das afrolésbicas periféricas.”

Organização: Coletiva Agba

Convidada: Janaina Gisele, Coletiva Agbá

Mais informações: coletiva.agba@gmail.com 

Sorocaba, 13 de Maio, 17h30

Mesa Redonda: Diálogos Interdisciplinares

Organização: Programa de Pós-Graduação em Estudos da Condição Humana PPGECH + Grupo de Pesquisa ETNS/UFsCar – Sorocaba 

Convidados: Mariana de Cerqueira Silva, Jéssifran Silveira Rosa; Celso R. Monteiro e Rosana Batista Monteiro (mediadora).

Youtube PPGECH https://youtube.com/c/PPGECH        

Mais informações: rosanabmonteiro@ufscar.br

Santos, 13 de Maio, 20h

Debate: “Nós pessoas pretas: Saúde Pública, Universal e de Qualidade – Ocupação do 13 de Maio”.

Organização: Produção Preta; Comissão de Igualdade Racial – OAB de Santos; Jornal Empoderado; Afroempreendedores; UNEGRO da Costa da Mata Atlântica; Aliança Pró-Saúde da População Negra.

Convidados: integrantes da Aliança Pró-Saúde da População Negra, Drad Emanuelle Aduni Góes e Vinícius Maciel (Moderador)  

@comissaodeigualdaderacialoabsantos @jornalempoderado @afroempreendedores 

@unegrocostadamataatlantica @aliancaprospn

Botucatu, 13 de Maio, 18h

Debate: Saúde da População Negra – o que precisamos manter público!       

Organização: Núcleo Negro de Pesquisa e Extensão da UNESP (Faculdade de Medicina de Botucatu)      

Convidada: Thatiane Awo Yaa – Médica de Família e Comunidade Responsável Técnica de Clínica da Família da APS do município do Rio de Janeiro

https://www.instagram.com/nupe.fmb/

Mais informações: j.caramori@unesp.br

Resenha

Enfim, Abril de 2022!

Nesse 07 de abril, Dia Mundial da Saúde, a Aliança Pró-Saúde da População Negra celebra o seu 4º. Aniversário de sua fundação. Vale aqui, algumas reflexões diante da importância da data.

Essa rede surgiu da necessidade de resposta institucional às questões relacionadas ao impacto do racismo na saúde. A Aliança é filha do Xirê, uma iniciativa das religiões afro-brasileiras que tem buscado ampliar as articulações entre o sistema de saúde, pública e universal com os Terreiros, uma vez que as demandas apresentadas pelo povo de santo relacionam-se com o direito e o acesso à saúde.

Essa iniciativa, que não por acaso tem o Terreiro como nascedouro, é focada na resposta à epidemia de aids, que demanda prevenção, diagnóstico e tratamento das pessoas vivendo com HIV, considerando a visão de mundo de tais tradições religiosas e a forma como tais tradições interagem com esse mundo racista e intolerante, que define a partir da cor da pele do outro, se ele tem direito a nascer, viver e morrer com dignidade, e isso inclui a morte de sua cultura, sua crença, seus valores, e todos os códigos e simbologias referentes ao mundo negro e suas famílias escravizadas ao longo dos tempos. Não é à toa que esse objetivo político se tornou um componente importante da Política Nacional de Saúde da População Negra em sua primeira versão.

Saúde da população negra implica a mudança de comportamento institucional frente ao racismo, restando-nos mobilização, participação popular e controle social das políticas públicas em todo o território nacional, tal como nas lições aprendidas com os movimentos negros mais antigos, no que se destaca a atuação do movimento de mulheres negras.

São muitas as referências e os movimentos políticos que antecedem e alimentam a existência da Aliança, que nasce nos espaços da Câmara dos Vereadores, reunindo lideranças-chave do processo, sob a batuta de grandes atores políticos, com atuação diversificada. Naquele momento, buscava-se conhecer as experiências, aprofundar o debate e enfrentar conjuntamente os desafios que compõem o teatro político que caracteriza a atuação do estado brasileiro.

Com algumas pedras no caminho, mas deu certo o trajeto percorrido, avaliamos. Os relatórios de desempenho, com críticas, avaliações, balanços, prestações de conta, indicação de caminhos e demais subsídios para os passos seguintes, evidenciam os esforços dessa comunidade, que tem buscado qualificar seu trabalho em atenção aos seus pares, a sua família negra afro-brasileira, que é formada também por atores que vivem na diáspora e escolheram São Paulo como o seu espaço-mundo para esse momento da vida.

O advogado Renato Azevedo, da Produção Preta ME, Educação Antirracista e Desenvolvimento Étnico-racial, sediada em Santos, compreende o aniversário de 4 anos da Aliança como “um rito de passagem. Pois uma associação amadurece e cresce a partir do sedimentar e fortalecer de suas posições políticas, culturais e sociais. Acredito que estamos na fase do autoconhecimento e do reconhecimento de nosso espaço e pretensões enquanto coletivo, tão necessário para este momento”.

A Aliança olhou para dentro ao longo de toda sua existência, revisitando suas práticas, a partir de sua “Carta de Princípios” e o conjunto de valores por ela elencados, no que se destaca a sua capacidade técnica e política para alimentar o diálogo com seus pares e os demais atores da sociedade ampliada. Provou isso já no primeiro momento, quando se apresentou publicamente enquanto uma rede, condutora de um fórum inédito na cidade, que se mantem, agora em âmbito virtual, porque assim quis o período pandêmico que ainda não acabou.

O Fórum de Saúde da População Negra do Município de São Paulo, instalado na APEOESP em setembro de 2018 sob o comando de Jéssica Moura e Ana Luiza, tal como seu filho dileto, o Fórum de Cidade Tiradentes conduzido por Geralda Marfisa, são partes desse processo de mobilização intensa que mora na alma dessa “aliança”. Assim é a sua atuação política ao selecionar e divulgar informações consideradas importantes, por meio de suas redes sociais, contando única e exclusivamente com os esforços voluntários de seus membros.

E, como uma rede de fato, tem buscado dialogar com os demais atores, de diferentes municípios e estados, estando eles na gestão, na academia, no parlamento, ou no trabalho braçal da vida cotidiana, como é o caso dos profissionais de saúde e da educação.

Ao discutir o modelo ideal para sua atuação política, essa rede novamente observou não apenas os seus achados, mas também os desafios da mobilização popular em tempos de COVID-19, exclusão digital, negação de direitos sociais, revisão da lei de cotas, politicas pró-cloroquina e anti-vacinas, criminalização dos movimentos sociais, e os demais retrocessos políticos desse mundo chamado Brasil. Quatro anos depois, essa menina que nos reúne em nome do direito à saúde, com respeito às diferenças, atua em resposta ao racismo, com passos vagarosos porque como toda criança, busca aprender com seus mais velhos tudo o que é possível para que assim se alimente e possa ir para o mundo.

É aprendizagem a palavra que define esse espaço tão caro para todos nós”, segundo a maioria dos componentes dessa rede, uma vez que o formato mais marcante desse grupo de expertos é a troca e o intercâmbio entre as pessoas que vão buscar referências na Aliança, quando não as encontram inclusive em sala de aula, embora estejam na universidade.

Se a bagagem ancestral é uma característica dessa rede, a sua capacidade de articulação também merece destaque, pois, os mais velhos estão lá, tendo que aprender a lidar com a tecnologia e as novidades do momento, o que é sempre visto de forma colaborativa pelos seus mais novos.

Em sua análise coletiva sobre o ano de 2021, que alimenta o relatório de desempenho institucional daquele período, a nossa rede nagô nos diz que “a Aliança tem se empenhado cada dia mais, em trazer as pessoas para o centro do debate, oferecendo apoio, qualificando o fazer, o agir, o pensar, visto que essa rede, para nós, é também o nosso espaço de formação coletiva, na prática”. Somos protagonistas desse processo que reúne diferentes esforços.

Nesse mesmo documento, é possível ler que “para a Aliança, nos cenários demarcados pelo racismo estrutural e o impacto deste sobre a sociedade é preciso atuar de forma comunitária, mobilizadora, com participação popular, articulação, monitoramento e controle social das políticas públicas para a promoção contínua dos Direitos Humanos. Esse processo demanda criar ferramentas, estratégias e espaços de amplo debate com diferentes setores da sociedade civil articulada, com parcerias e colaboração com as instituições do Estado Brasileiro”.

Vida longa à Aliança!          

Pra fiscalizar!

Plano Estadual de Promoção da Igualdade Racial é apresentado pelo Palácio dos Bandeirantes

21 de março de 2022

O Governo do Estado de São Paulo apresentou, nesta segunda-feira (21), o Plano Estadual de Promoção da Igualdade Racial. O documento estabelecerá políticas públicas de enfrentamento da desigualdade racial envolvendo Secretarias e órgãos estaduais. A cerimônia foi realizada no Palácio dos Bandeirantes e contou com a participação do Governador João Doria e dos Secretários de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, e da Justiça e Cidadania, Fernando José da Costa.

Fonte: Desenvolvimento Regional – Governo do Estado de São Paulo

Leia em: Plano Estadual de Promoção da Igualdade Racial é apresentado pelo Palácio dos Bandeirantes – Portal SDR

Assista!

Produzido pela Rede Nacional de Religiões Afro-brasileiras e Saúde, em parceria com o Ministério da Saúde, O Cuidar nos Terreiros é um documentário que enfatiza as práticas de acolhimento, cuidado e atenção à saúde integral das pessoas, de forma genuína, a partir das diferentes tradições de matrizes africanas e o saber ancestral, contido na relação entre os homens e os Orixás. Sabe-se que, para muitos, o Terreiro é o hospital, responsável número um, e talvez único, de muita gente que não tem acesso e seu direito à saúde garantido, muito embora a saúde seja um direito humano e, uma política de Estado, no Brasil. Confira!

Vamos ler?


Segundo Jurema Werneck: ‘As mulheres experimentam de forma diferente as violações de seus direitos’
Fonte: Isabelle Moreira Lima, 06 de Março de 2022.

Leia aqui

Um convite

Depois de 04 anos de sua fundação, a Aliança Pró-Saúde da População Negra tem buscado atuar politicamente de forma articulada, mobilizadora, com participação popular, com espírito comunitário, monitoramento e controle social das políticas públicas.

Acreditamos na atuação da sociedade e na corresponsabilidade para a mudança de contextos; na força de Sankofa e no poder do Baobá diante da promoção dos Direitos Humanos; na importância da rede que existe entre ancestrais e descendentes, integrando distintos saberes, de forma transversal e colaborativa, com ferramentas, troca de conhecimento, estratégias guiadas pelo bem comum, espaços de diálogo e construção coletiva.

E assim, reafirmando a importância também do Dia Mundial da Saúde, convidamos você e todos os seus a celebrarem conosco, a importância dessa data para a nossa Aliança.

Dia 07 de Abril, de 2022, às 19:30, via Zoom Meeting

Mais informações em observatoriopopnegra@gmail.com

Aliança inicia 2022 realizando sua II Assembleia Geral Extraordinária

A Aliança caminha a passos vagarosos e consistentes, concluem seus associados, reunidos em Assembleia Geral Extraordinária nesse mês de janeiro. A realização virtual de cinco edições do Fórum de Saúde da População Negra, cerca de 15 encontros da rede pró-saúde da população negra, a participação em eventos importantes como a Plenária do Dia Mundial de Saúde (organizada por diferentes movimentos sociais e sindicatos de classe), além de inúmeras reuniões para alinhamento, articulação política e avaliação de desempenho em meio à formação política que compõe as estratégias dessa rede, alimentaram o trabalho realizado pelo grupo, ainda sob o impacto da pandemia.  

A Assembleia reuniu suas principais lideranças e tocou fundo em questões importantes como a sustentabilidade da resposta ao racismo. Na ocasião, além de discutir a busca por recursos financeiros, a Assembleia aprovou o Relatório de Desempenho de 2021, com um discurso político marcado pela avaliação criteriosa dos passos dados até aqui. 

O ponto alto, avaliam os associados e associadas, foi o vídeo “Vacina Já para Todes!” que em abril de 2021 denunciava a ausência de vacina para todas as pessoas, particularmente na população negra, e estimulava as pessoas a se vacinarem.

Questões como maior articulação, organização comunitária, acesso à informação, condução política efervescente e formação de jovens lideranças são alguns entre os pontos que precisam de mais atenção, segundo a Assembleia, que reforçou o debate sobre organização comunitária em resposta ao racismo.

Espera-se para 2022, além de vacina para todes, uma resposta coletiva e mobilizadora dos movimentos sociais, para além da pandemia.

“O Cuidar nos Terreiros”

O “cuidar nos terreiros” conta com a participação de duas palestrantes, Makota Kidoiale e Ya Wanda d’Omolu, mulheres pretas que vêm pensando cuidado, direitos humanos, educação, terreiros e políticas outras para que nossa sociedade seja mais justa.

Fonte: Projeto Cabaça

Esgotado!

Agradecemos o seu interesse pelo livro “Enfrentamento dos efeitos do racismo, cissexismo e transfobia na saúde mental”.

A tiragem de 2.500 exemplares está esgotada!

Em breve, você poderá acessar o livro em pdf na biblioteca do nosso site.

Atenciosamente;

Instituto AMMA Psique e Negritude

Lançamento de “Frantz Fanon e as encruzilhadas” com o autor Deivison Faustino

16/02 – 19h.

Inscrição gratuita.

Compre na pré-venda e receba seu exemplar assinado!

A Ubu promove o lançamento do novo livro do professor e pesquisador especialista em Fanon, Deivison Faustino. Desta vez, optamos por realizar um encontro em uma sala do Zoom para dar aos participantes a oportunidade de conversar com o autor.  Este é um livro para todos os leitores que buscam uma introdução e um aprofundamento na obra de Fanon, conhecendo suas bases e as repercussões da obra no mundo. No final do livro o autor oferece um guia de onde encontrar diferentes temas na obra fanoniana.

Por que ler Fanon? Por que ler Fanon no Brasil? Por onde começar a ler Fanon? Afinal, ele é anticolonial, decolonial, pós-colonial ou marxista? Quais foram suas contribuições para se pensar as relações entre sociedade e psique? Essas perguntas são algumas das linhas de força que organizam Frantz Fanon e as encruzilhadas: teoria, política e subjetividade, de Deivison Faustino, um dos maiores estudiosos do racismo, do movimento de negritude e da produção intelectual negra no Brasil contemporâneo, e o maior especialista na obra de Fanon no Brasil.

Neste livro, Faustino oferece uma reflexão ao mesmo tempo rigorosa e fecunda sobre a obra do psiquiatra e revolucionário martinicano, responsável por um trabalho pioneiro sobre a experiência negra na América Latina e no Caribe afrodiaspóricos, e sobretudo sobre a dimensão psicológica do racismo.

Em linguagem límpida e envolvente, o livro começa apresentando a obra de Fanon, seus conceitos centrais, suas principais influências teóricas, integrando seu pensamento à sua biografia. Em seguida, traça uma genealogia da recepção de sua obra no mundo e no Brasil, mostrando como sua obra foi ignorada, lida ou apropriada por diferentes leitores, de figuras centrais da crítica europeia como Jean-Paul Sartre, Homi K. Bhabha e Slavoj Zizek aos pensadores africanos e afrodiaspóricos da negritude, bem como por intelectuais brasileiros como Paulo Freire, Lélia Gonzalez, Glauber Rocha, Florestan Fernandes, Neusa Santos Souza e Clóvis Moura.

Saiba mais em ubueditora.com.br

Acesse aqui: aqui

Pesquisa

Foto por CDC em Pexels.com

Você 18 anos ou mais e vive no Brasil?

Participe da I-SHARE: Pesquisa Internacional sobre Saúde Sexual e Reprodutiva em Tempos de COVID-19: https://bit.ly/i-share-brasil.

Sua participação é anônima e leva de 10 a 15 minutos.

O estudo é realizado em mais de 35 países, sob a coordenação da London School of Hygiene and Tropical Medicine (LSHTM) e a Academic Network for Sexual and Reproductive Health and Rights Policy, em parceria com o Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC-UFBA) no Brasil.

Ajude-nos a entender os impactos da crise sanitária na vida sexual e reprodutiva da população brasileira: https://bit.ly/i-share-brasil

Respeite o meu Terreiro

O Ilê Omolu Oxum apresenta a campanha ‘Respeite o meu Terreiro’ para promover a conscientização e respeito às religiões de matriz africana e estimular as denúncias de atos discriminatórios e racismo religioso.

Acesse @ileomoluoxum no Instagram e conheça mais!


#ileomoluoxum
#maemeninazinhadeoxum #mãenilcedeiansã #respeiteomeuterreiro
#raçaeigualdade #povosdeterreiro #racismoreligioso

Município de São Paulo: Censo da População de Rua – 2021

Foto: Rede Brasil Atual.

O novo Censo 2021, antecipado pela atual gestão em virtude da crise sanitária mundial deflagrada pela pandemia de COVID-19 já está disponível.

Confira aqui.

Novidade no Rio de Janeiro

Composto atualmente por 13 integrantes dos estados da Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo, vai orientar e sugerir caminhos na condução de projetos e iniciativas brasileiras voltadas à promoção do respeito e redução do preconceito em relação às religiões de matriz africana.

Recém-lançado, Conselho vai orientar e sugerir caminhos na condução de projetos e iniciativas brasileiras voltadas à promoção do respeito e redução do preconceito em relação às religiões de matriz africana.

Leia mais aqui

Resenha da Aliança

*Da Coordenação

Janeiro de 2022.

Com o início de um ano novo cheio de novas oportunidades é preciso lembrar que temos muitos desafios pela frente, enquanto nação brasileira às vésperas do processo eleitoral. No caso da saúde pública, gestão e planejamento continuam sendo marcadores importantes para o desenvolvimento e oferta de serviços, frente à ampliação do acesso às tecnologias e recursos já disponíveis no sistema de saúde que se pretende público, para todos e de qualidade. 

Gestão e planejamento, em meio ao subfinanciamento do sistema, são temas de primeira ordem, amplamente discutidos por especialistas e lideranças políticas de diferentes segmentos ideológicos. Por vezes, esses são também parte de agenda de congressos, audiências, simpósios e similares, que debatem tal tema sem oferecer encaminhamentos concretos na relação entre o Estado e a sociedade. Essas são inclusive, e em sua maioria, atividades financiadas pelo próprio sistema, vale lembrar. 

Ao observar o desempenho da Política Nacional de Atenção à Saúde da População Negra, para além da pandemia de COVID-19 – em que a população negra foi a mais afetada em todo o país, tal como em outros casos importantes de saúde pública, e isso tem nome – compreendemos que existem algumas questões que precisam ser aprofundadas rumo ao cenário anunciado. Entre tantas, destacamos, o conceito de gestão participativa, associado à mobilização e articulação política da sociedade civil, pois como sabemos, o Estado não nos quer à mesa, debatendo os rumos da sociedade brasileira, tampouco definindo conjuntamente o futuro da política de saúde no país, muito embora esse seja um dos princípios básicos do SUS, e um direito constitucional presente nos documentos oficiais.

É preciso movimentar-se, mobilizar-se, mobilizar o outro e envolver todos os atores na construção de novos caminhos, na definição de novas estratégias, na organização da agenda política que mais interessa ao povo brasileiro, considerando aí que o racismo permanece como determinante social altamente relevante na condução política do país, bem como na organização do sistema de saúde pública.

Para além da falácia sobre a necessária formação de novas lideranças, e investimento em jovens líderes, é urgente a ampliação do diálogo acerca daquilo que nos atravessa cotidiana e rotineiramente. É urgente o enfrentamento à correlação de forças e disputas presentes na sociedade e nas instituições do Estado, independente do processo eleitoral sem, contudo, ignorá-lo.

Ainda que o debate sobre a reformulação do modelo de gestão (“não dá pra gerenciar o SUS hoje, como nos anos oitenta, simplesmente porque não estamos nos anos oitenta”), ampliando a integração institucional e intrasetorial seja uma agenda importante para todos nós, sobretudo quando pretos das periferias mais esquecidas desse país, é preciso corrigir as desigualdades para equilibrar as ações e assim promover e garantir o sagrado direito à saúde integral. Aqueles mesmos discursos já não cabem mais, em um cenário de guerra abafada pela vacina vitoriosa que garantiu nossas festas de final de ano. 

Ao considerarmos a importância dos determinantes sociais, é desnecessário dizer que o sistema de saúde não fará isso sozinho, mas essa não pode ser a desculpa para que as ações não aconteçam em nenhum nível ou escala do sistema que é de saúde e não de doenças. É antiga a necessidade de alinhamento entre os diferentes níveis de gestão “da mesma coisa” visto que os desafios são históricos e ignorados, mesmo nos governos mais progressistas.

Essa integração institucional e intrasetorial que está aí, não é uma novidade para nenhum de nós e sabemos que ela não tem gerado o resultado necessário, dado o conjunto de valores, ideologias e “pensamentos” que norteiam as decisões do atual momento da república. Saúde da população negra, faz-se com intersetorialidade, sincronia, dinheiro na conta, produção do conhecimento, articulação constante com e entre as agendas políticas de diferentes movimentos sociais (que também guardam seus racistas de plantão), além da qualificação das ações nos diferentes universos, no micro e no macro mundo da política que vai das unidades de saúde em suas realidades até a definição da política, que nem sempre é federal. 

A política deve servir ao povo, deve atender às pessoas, reagir às necessidades diversas e corrigir as desigualdades historicamente estabelecidas. Mas não se pode esquecer, que não fazer nenhum desses movimentos, na gestão, na unidade de saúde, na casa da gente, no território da gente, também é um ato político, que como sabemos, tem alimentado o genocídio em curso.

Nesse início de 2022, compreendemos que é fundamental o resgate da cidadania, a valorização da democracia, o acesso à informação e por fim, a gestão para mudanças efetivas de contextos que demarcam de forma desigual as diferentes instâncias da vida, a partir de cada indivíduo na ampla diversidade da sociedade brasileira. 

Não há saúde quando as pessoas morrem de fome; não há saúde quando as pessoas recebem um aumento de cem reais no salário-mínimo que deve bancar o arroz, o feijão, o gás de cozinha e o óleo de soja mais caros que se tem notícias na história desse país. Não há saúde quando não se tem paz e equilíbrio. E para tudo isso, dizem as lições aprendidas até aqui, é preciso mobilização, articulação, estratégia, atuação conjunta e mais do que tudo, uma ação direta e efetiva por parte da sociedade. Do contrário, somos cúmplices!

Por fim, é sempre bom lembrar que nenhuma das conquistas obtidas até este momento, ocorreu sem atuação direta ou indireta da sociedade civil organizada. 

Feliz ano novo, para todos e todas nós!

O Novo Programa da Formação Cultural está com inscrições abertas até 10 de janeiro! 

Venha ser CRIA, o programa de inovação dos espaços culturais municipais pelo olhar da juventude periférica da cidade de São Paulo. Serão selecionados 101 jovens com ideias para projetos inovadores para a gestão pública cultural que potencializem os espaços e ampliem relações com os territórios. 

Leia aqui o edital, se inscrevam, curtam e compartilhem!

Uma boa notícia!

Está no ar o I Prêmio ‘Orçamento, garantia de direitos e combate às desigualdades’, iniciativa da Assecor e da Fundação Tide Setubal, em parceria com organizações da sociedade civil,que visa reconhecer trabalhos e pesquisas que abordam o tema das Finanças Públicas não somente a partir de uma perspectiva da sustentabilidade fiscal, mas também de forma comprometida com o desenvolvimento social do país, o combate às desigualdades de raça, gênero e renda e à garantia de direitos para a população brasileira. A iniciativa é mais uma ação da Assecor para democratizar o debate sobre orçamento público brasileiro.

O prazo para submissão dos trabalhos é 06/03 e serão aceitos trabalhos relacionados a pelo menos um dos seguintes subtemas de interesse:

•  Orçamento público, democracia e garantia de direitos:

• Sistema tributário, dívida pública e política fiscal para a promoção da equidade

•  Novos arranjos financeiros para a implementação de políticas setoriais

  Premiação:

• 1º lugar: R$ 20.000,00

• 2º lugar: R$ 15.000,00

• 3º lugar: R$ 10.000,00

• 4º lugar: R$ 5.000,00

• 5º lugar: R$ 3.000,00

• Até 3 menções honrosas: R$ 2.000,00

Acesse aqui o edital.

A contribuição dos Terreiros para o avanço da saúde pública.

Do Jeholú

HIV/AIDS no Brasil: Dados epidemiológicos.

 

O “Boletim Epidemiológico HIV/Aids”, do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis, da Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde (DCCI/SVS/MS), publicado anualmente, apresenta informações sobre os casos de HIV e de aids no Brasil, regiões, estados e capitais.

Acesse aqui o Boletim Epidemiológico HIV/Aids de 2021, publicado pelo Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis do Ministério da Saúde.

Confira aqui os Dados Epidemiológicos de HIV/AIDS no Município de São Paulo. 

%d blogueiros gostam disto: