“O diagnóstico precoce e tratamento adequado levam ao controle da Doença Falciforme” informa o Ministério da Saúde, via Instagram.

Leia, compartilhe e assine você também o Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil

“É preciso fortalecer, qualificar, inovar, monitorar e avaliar a gestão pública no SUS, contando com a participação dos diferentes setores da sociedade, uma vez que a saúde é também uma questão de cidadania”.

A partir de Ezequiel Coutinho, estudante de medicina da Faculdade de Medicina Santa Marcelina, convidamos você a ler, assinar e compartilhar o “Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil”, por um SUS para todos e todas nós!

Leia, compartilhe e assine você também o Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil

Compreendemos como prioridade o fortalecimento do Sistema Único de Saúde no Brasil, para além das demandas apresentadas no contexto da pandemia de COVID-19. Diante do atual cenário, marcado pela constante perda de direitos básicos como o direito à saúde, “é fundamental que, diante do processo eleitoral, os partidos políticos e seus candidatos e candidatas aos governos federal, estaduais e ao legislativo, em suas plataformas e programas de governo, assumam o compromisso de lutar contra o racismo institucional, que caracteriza as organizações do Estado.”

A partir de Paulo Paim, convidamos você a ler, assinar e compartilhar o “Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil”, por um SUS para todos e todas nós!

Você é um/uma dos articuladores/articuladoras com atuação em defesa da saúde da população negra no Brasil?

Ao considerar o atual cenário político brasileiro, a publicação do Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil tem ampliado a busca por ampla mobilização entre lideranças de movimentos sociais, intelectuais, gestores, profissionais de saúde e demais interessados nessa agenda política tão importante. Queremos conectar as pessoas e suas experiências, ampliar as nossas articulações políticas nos Estados e municípios, tecer as redes e parcerias possíveis, fortalecendo assim o debate em âmbito local.

Você está convidado(a) a compor o Mapa dos Articuladores Políticos em Saúde da População Negra, preenchendo o presente formulário. Solicitamos também, o seu apoio para que esse mapeamento possa alcançar os demais, pois, é fundamental que possamos seguir juntos em meio a esse processo. Esse mapa deve gerar uma síntese, com informações de interesse público e quando ele estiver pronto, teremos a oportunidade de ver juntos, a sua primeira versão.

Com base na LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (03/maio/2021), compreendemos que “todo cidadão deve ser soberano quanto às próprias informações pessoais, por isso precisa ser o protagonista quanto ao uso dos seus dados”, razão pela qual, nos comprometemos em preservar o direito constitucional à sua liberdade e privacidade, inclusive no que se refere aos meios digitais.

Preencha aqui o formulário e faça parte desse processo em defesa do SUS!

Organize a sua atividade e participe você também da Mobilização Pró-Saúde da População Negra no Brasil

Com a publicação do Manifesto em abril de 2022, e a Ocupação do 13 de maio em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil, queremos ampliar a nossa mobilização em defesa do Sistema Único de Saúde, com especial atenção para a promoção da equidade enquanto resposta o racismo e seu impacto na saúde da população negra brasileira.

Queremos dialogar com as redes, núcleos, coletivos e demais organizações para tratarmos de agenda conjunta, pois, todas as oportunidades para a defesa de um sistema público de saúde, forte, universal, com equidade, integralidade e gestão participativa na conjuntura em que estamos, são mais que bem-vindas. Uma de nossas estratégias tem sido a busca pelo diálogo com as autoridades políticas, e entre elas, os candidatos às eleições de 2022, porque é preciso que os planos de governo acolham as nossas necessidades em saúde, tal como todas as outras.

Desejamos uma mobilização que seja intensa, envolvente e que nos leve ao alcance de tais objetivos. Dessa forma, queremos incluir a discussão sobre a Política Nacional de Saúde da População Negra nos debates que virão, ao longo do mês de julho (por exemplo, associadas ao Dia das Mulheres Negras da América Latina e do Caribe). Então, queremos convidar você e sua rede a participar de mais essa etapa do processo, organizando a sua atividade para a “Mobilização Pró-Saúde da População Negra em Defesa do SUS” para que a gente possa articulados, preenchendo o formulário direcionado disponível aqui.

A Aliança realiza nesse final de Maio o IV Encontro da Rede Pró-Saúde da População Negra de 2022

Com atuação comunitária em atenção à saúde da população negra, mobilização, participação popular, avaliação, monitoramento e controle social das políticas públicas de saúde, com especial atenção para o enfrentamento do racismo, preconceito, discriminação racial, xenofobia e intolerâncias correlatas, no universo da saúde da população negra, a Aliança Pró-Saúde da População Negra tem buscado intensificar o debate à luz das políticas pró-equidade.

Diante disso, convidamos você e seus pares ao IV Encontro da Rede Pró-Saúde da População Negra, destinado ao debate sobre “Boas práticas comunitárias e cuidado coletivo.”

Queremos dialogar sobre o cuidado ofertado pela comunidade e o desenvolvimento de suas ações políticas no cenário atual, com vistas ao futuro. A atividade acontece de forma remota, na próxima quinta-feira, dia 26 de novembro de 2022, 19h30, via Zoom Meeting.

Mais informações: observatoriopopnegra@gmail.com

Participe e mobilize os demais!

Leia, compartilhe e assine o Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil

“…o Estado brasileiro deve revisitar o seu compromisso com o direito à saúde e reafirmar as diretrizes relacionadas à implementação da PNSIPN, de forma a avançar na sua efetivação junto aos estados, municípios e o Distrito Federal, potencializando o sistema de saúde público, digno e de qualidade, tal como o preconizado pelas Leis 8.080 e 8.142 de 1990.”

A partir de Sandra R. Coleman, da Universidade do Estado de Nova York – SUNY New Paltz, convidamos você a ler, assinar e compartilhar o “Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil”, por um SUS para todos e todas nós!

Em live da Prefeitura de São Paulo, o Cientista Social Celso Ricardo Monteiro discute o tema Discriminação das religiões afro-brasileiras nos serviços de saúde.

Leia, compartilhe e assine o Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil

A participação popular e o controle social são princípios constitucionais no Brasil e compõem as Leis 8.080 e 8.142 de 1990, que criam o Sistema Único de Saúde.

“A PNSIPN é parte da histórica luta da população negra brasileira pela garantia do acesso à saúde, vem para criar oportunidades reais para o enfrentamento do racismo que afeta todos os setores de saúde, determinando a maior ocorrência de doenças e sofrimentos tratáveis e evitáveis entre as pessoas negras, em especial os grupos quilombolas”.

A partir de Geralda Marfisa, da Diretora Executiva da Aliança Pró-Saúde da População Negra e da APN’s, convidamos você a ler, assinar e compartilhar o “Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil”, por um SUS para todos e todas nós! Acesse o site http://www.aliancaprospn.org/brasil mobilize os demais, e faça parte desse movimento você também!

Leia, compartilhe e assine o Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil

É preciso a mobilização constante da sociedade diante do racismo e seu impacto na saúde. Além disso, ao considerarmos que o Sistema Único de Saúde é patrimônio desse país, é fundamental lembrar que “o Estado brasileiro deve revisitar o seu compromisso com o direito à saúde e reafirmar as diretrizes relacionadas à implementação da PNSIPN, de forma a avançar na sua efetivação junto aos estados, municípios e o Distrito Federal, potencializando o sistema de saúde público, digno e de qualidade, tal como o preconizado pelas Leis 8.080 e 8.142 de 1990.”

A partir de James Berson Lalane, da Universidade de São Paulo/USP, convidamos você a ler, assinar e compartilhar o “Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil”, por um SUS para todos e todas nós! Confira em: https://aliancaprospn.org/brasil/

Ocupação do 13 de Maio

Em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil

O racismo segue ausente nas discussões do processo eleitoral de 2022.

A Ocupação 13 de Maio (dia em que a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra foi publicada pela União, em 2009), tem como objetivo a realização de diferentes ações articuladas a partir do “Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil”, ao longo de todo o dia 13 de Maio de 2022, com atividades presenciais e virtuais em diferentes regiões do país.

A Ocupação 13 de Maio (dia em que a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra foi publicada pela União, em 2009), tem como objetivo a realização de diferentes ações articuladas a partir do “Manifesto em Atenção à Saúde da População Negra no Brasil” com atividades presenciais e online.

As ações, diversificadas, acontecerão sob coordenação de diferentes organizações, redes e movimentos sociais, reunindo ativistas, intelectuais, lideranças de religiões afro-brasileiras, gestores, trabalhadores e trabalhadoras da saúde, ressiginificando o “Dia da Abolição da Escravatura”.

Tais atividades visam a mobilização da sociedade o enfrentamento do racismo e a necessária promoção da equidade em saúde, ampliando o debate apresentado pelo Manifesto organizado por diferentes organizações e pessoas.

O Manifesto encontra-se disponível aqui e aguarda por sua assinatura!

Confira abaixo o conjunto das atividades:

Rio Grande do Sul

Porto Alegre, João Pessoa, São Paulo – 13 de Maio, 17h

Debate: “Conexão Saúde – Reflexões Pandêmicas

Organização: ACARMO LBT NEGRITUDE, COLETIVO AGBA, COLETIVO 3 DIGITAIS NEGRAS

Leila Lopes, Joelma Cezário, Jana GIl

meet.google.com/mak-tixh-zro 

Mais informações: 3dnegraslestics@gmail.com

Pará

12 de Maio, 19h30

Live: “Saúde da População Negra e Eleições 2022”

Organização: Programa Pensar Africanamente

Convidados: Roseti Araújo; Lívia Ferreira; Hilton P. Silva; Kota Mulangi e Silvany Euclênio (mediadora)

Youtube: https://youtu.be/gFTHFX0gwyk

Mais informações: hdasilva@ufpa.br   

Belém, 13 de Maio, 11h

Webinario – Por quê a Saúde da População Negra deve ser debatida nas eleições de 2022

Organização: Laboratório de Estudos Bioantropológicos em Saúde e Meio Ambiente (LEBIOS/CNPq)

Convidados: Malungu, NEAB-CEAM-UNB, UFPA, GT racismo e saúde-brasco

Instagram: @lebiosufpa  

Mais informações: hdasilva@ufpa.br 

Belém, 13 de Maio, 16h

Debate – Saúde das Mulheres Negras LBTs na Amazônia Paraense: O impacto do Racismo e da LesbiTransfobia na saúde pública de Belém, Altamira e Abaetetuba

Organização: Coletivo Sapato Preto – Lésbicas Negras Amazônidas

Convidadas: Dra. Flávia Câmara, Dra. Patrícia Gomes, Sra. Dandara Rudsan

Página do Coletivo no YouTube: https://youtube.com/channel/UCUU3X2unOyvNZpXTvCq8VHw

Mais informações: sapatopretoamazonida@gmail.com

Castanhal, 13 de Maio, 19h

Roda de Conversa: “Capoeira como saúde social”

Convidados: Mestres de Capoeira em Castanhal-PA

Organização: Coletivo de Capoeiras de Castanhal

Página da ASCONQ

Organização: denilsonegro@hotmail.com

Pernambuco

Caruaru, 13 de Maio, 09h

Sessão de Vídeos

Organização: Centro de Prática e Pesquisa N’Golo Capoeira Angola

Convidados: Membros do Centro de Prática e Pesquisa N’Golo Capoeira Angola        

Páginas do Centro no Youtube

Vídeo 1: https://www.youtube.com/watch?v=eEMc_H301_s&t=16s 

Vídeo 2: https://www.youtube.com/watch?v=xRWru9IoEcw 

Vídeo 3: https://www.youtube.com/watch?v=-l6b99-R-rY

Mais informações: silvafelix.junior@gmail.com

Recife, 13 de Maio, 10hs

Fórum Educação Permanente em Saúde da População Negra: “O papel da educação permanente na construção da atenção à saúde da população negra”

Convidados: Josė Carlos Silva, Rose Santos, Marta Almeida, Altair Lyra

Organizador: Pesquisador, UFPE

@ufpe

Informações: carlossilvan2003@yahoo.com.br

Caruaru, 13 de Maio, 17:30h

Seminário: “Capoeira Angola: Influências na saúde física e mental”

Organização: Centro de Prática e Pesquisa N’Golo Capoeira Angola

Convidados: Trenel Félix, Centro de Prática e Pesquisa N’Golo Capoeira Angola

Meet

Mais informações: silvafelix.junior@aliancaprospn

Rio Grande do Norte

Natal,  13 de Maio, 19hs

Debate: “Bora escurecer algumas coisas…”

Organização: Movimento Mulheres na Contramão

Convidado: Eustaquio – Projeto Asili Yango

Instagram @andyesouza

Mais informações: ars.meraki@gmail.com

Brasília

Distrito Federal, 13 de maio, 20h          

Live: “A saúde no Brasil e o desafio da integralidade do cuidado para a população negra”          

Organização conjunta DF/PE: AME, UNA LGBT Brasil e UNEGRO

Convidados: Andrey Lemos, Conceição Silva e Damiana Neto     

Instagram @unegrobrasil  

Mais informações: damiana.neto4@gmail.com 

Maranhão 

São Luís, 13 de Maio, 16h

Roda de Conversa com Mulheres Negras: “O impacto do Racismo na saúde das Mulheres Negras”

Organização: Associação dos Blocos Tremendões

Convidada: Professora Lúcia Dutra

Mais informações: analuisaist@gmail.com

São Luís, 13 de Maio, 17h30

Reunião para Introdução da disciplina Saúde da População Negra nos cursos de Medicina, Enfermagem e Programas de Pós-Graduação 

Organização: UFMA – Universidade Federal do Maranhão

Convidado: Prof.  Dr. Luís Eduardo Batista – USP  

Googlemeet

Mais informações: istvan.varga@ufma.br 

Rio de Janeiro, 13 de Maio, 09h

Debate: “O impacto do racismo da saúde pública e global”

Organização: PUC-Rio

Paula Torracca

Mais informações: paula.torracca@outlook.com

Rio de Janeiro, 13 de Maio, 15h

Lançamento: Vídeo – Mortalidade Materna de Pessoas Negras que Gestam no Brasil

Organização:  CRIOLA – Organização de Mulheres Negras

Convidada: Lia Manso, coordenadora de Projetos em Criola

Instagram de Criola: https://www.instagram.com/ongcriola/ 

Mais informações: juliatavares@criola.org.br 

Petrópolis, 13 de Maio, 12h

Ato na UNIFASE/RJ: “Discriminação no dia a dia”

Organizador: Grupo de Trabalho REGAR da UNIFASE/FMP/RJ

Convidados: Nathália Matola Lima (membro do GT antiracismo da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade), Paulo K de Sá (Coordenador da Faculdade de Medicina de Petrópolis/UNIFASE)

Presencial – Hall de entrada da UNIFASE

Informações: paulosa@unifase-rj.edu.br

Bahia

Salvador, Dia 13 de Maio, 9h30

Roda de Conversa: “Educação e Desconstrução do Racismo”

Organização: Centro de Evangelização da Periferia de  Salvador e “Grupo de Jovens Liberdade Já!”

Convidada: Vilma Reis ( Socióloga e Selma Sena (Bióloga)

Google Meet

Informações: celiaregina.contatos@hotmail.com

Salvador, dia 13 de Maio  

Roda de Diálogos

Organizadora: Associação Papo de Mulher

Convidados: Assistente Social Tânia Nogueira, Raimunda Oliveira

Mais informações: nini_renilda@hotmail.com

Vera Cruz, 13 de Maio, 20h

Ocupação Cultural: “Samba, Som, Saúde da População Negra”.   

Organização: Rede Nacional de Promoção e Controle Social da Saúde, da Cultura e dos Direitos das LesBicas Negras (Rede Sapatà)   

Convidadas: DJ Nanda Machado, Virgínia Lane

@sapalesbinegras e @liviaferreira@1969

Mais informações: liverferreira@gmail.com

São Paulo

São Paulo, 13 de Maio – o dia todo   

Campanha: Saúde da População Negra em Debate – post’ e vídeos

Organização: Aliança Pró-Saúde da População Negra

Instagram @aliancaprospn 

São Paulo, 13 de Maio – o dia todo

Mostra de documentários: Documentário Ewe – o conto das folhas sagradas; Projeto Awom Obirim e o fortalecimento da saúde mental; O Cuidar dos Terreiros.

Organização: RENAFRO/Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde – SP

Página da Renafro, Associação, Larayo, Página Pessoal, Rádio ACAAPESP  

Mais informações: renafro.nucleosp@gmail.com

São Paulo, 13 de Maio, 10h

Debate: “O direito à cidade a partir de uma perspectiva das afrolésbicas periféricas.”

Organização: Coletiva Agba

Convidada: Janaina Gisele, Coletiva Agbá

Mais informações: coletiva.agba@gmail.com 

Sorocaba, 13 de Maio, 17h30

Mesa Redonda: Diálogos Interdisciplinares

Organização: Programa de Pós-Graduação em Estudos da Condição Humana PPGECH + Grupo de Pesquisa ETNS/UFsCar – Sorocaba 

Convidados: Mariana de Cerqueira Silva, Jéssifran Silveira Rosa; Celso R. Monteiro e Rosana Batista Monteiro (mediadora).

Youtube PPGECH https://youtube.com/c/PPGECH        

Mais informações: rosanabmonteiro@ufscar.br

Santos, 13 de Maio, 20h

Debate: “Nós pessoas pretas: Saúde Pública, Universal e de Qualidade – Ocupação do 13 de Maio”.

Organização: Produção Preta; Comissão de Igualdade Racial – OAB de Santos; Jornal Empoderado; Afroempreendedores; UNEGRO da Costa da Mata Atlântica; Aliança Pró-Saúde da População Negra.

Convidados: integrantes da Aliança Pró-Saúde da População Negra, Drad Emanuelle Aduni Góes e Vinícius Maciel (Moderador)  

@comissaodeigualdaderacialoabsantos @jornalempoderado @afroempreendedores 

@unegrocostadamataatlantica @aliancaprospn

Botucatu, 13 de Maio, 18h

Debate: Saúde da População Negra – o que precisamos manter público!       

Organização: Núcleo Negro de Pesquisa e Extensão da UNESP (Faculdade de Medicina de Botucatu)      

Convidada: Thatiane Awo Yaa – Médica de Família e Comunidade Responsável Técnica de Clínica da Família da APS do município do Rio de Janeiro

https://www.instagram.com/nupe.fmb/

Mais informações: j.caramori@unesp.br

Pra fiscalizar!

Plano Estadual de Promoção da Igualdade Racial é apresentado pelo Palácio dos Bandeirantes

21 de março de 2022

O Governo do Estado de São Paulo apresentou, nesta segunda-feira (21), o Plano Estadual de Promoção da Igualdade Racial. O documento estabelecerá políticas públicas de enfrentamento da desigualdade racial envolvendo Secretarias e órgãos estaduais. A cerimônia foi realizada no Palácio dos Bandeirantes e contou com a participação do Governador João Doria e dos Secretários de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, e da Justiça e Cidadania, Fernando José da Costa.

Fonte: Desenvolvimento Regional – Governo do Estado de São Paulo

Leia em: Plano Estadual de Promoção da Igualdade Racial é apresentado pelo Palácio dos Bandeirantes – Portal SDR

Vamos ler?


Segundo Jurema Werneck: ‘As mulheres experimentam de forma diferente as violações de seus direitos’
Fonte: Isabelle Moreira Lima, 06 de Março de 2022.

Leia aqui

Um convite

Depois de 04 anos de sua fundação, a Aliança Pró-Saúde da População Negra tem buscado atuar politicamente de forma articulada, mobilizadora, com participação popular, com espírito comunitário, monitoramento e controle social das políticas públicas.

Acreditamos na atuação da sociedade e na corresponsabilidade para a mudança de contextos; na força de Sankofa e no poder do Baobá diante da promoção dos Direitos Humanos; na importância da rede que existe entre ancestrais e descendentes, integrando distintos saberes, de forma transversal e colaborativa, com ferramentas, troca de conhecimento, estratégias guiadas pelo bem comum, espaços de diálogo e construção coletiva.

E assim, reafirmando a importância também do Dia Mundial da Saúde, convidamos você e todos os seus a celebrarem conosco, a importância dessa data para a nossa Aliança.

Dia 07 de Abril, de 2022, às 19:30, via Zoom Meeting

Mais informações em observatoriopopnegra@gmail.com

Aliança inicia 2022 realizando sua II Assembleia Geral Extraordinária

A Aliança caminha a passos vagarosos e consistentes, concluem seus associados, reunidos em Assembleia Geral Extraordinária nesse mês de janeiro. A realização virtual de cinco edições do Fórum de Saúde da População Negra, cerca de 15 encontros da rede pró-saúde da população negra, a participação em eventos importantes como a Plenária do Dia Mundial de Saúde (organizada por diferentes movimentos sociais e sindicatos de classe), além de inúmeras reuniões para alinhamento, articulação política e avaliação de desempenho em meio à formação política que compõe as estratégias dessa rede, alimentaram o trabalho realizado pelo grupo, ainda sob o impacto da pandemia.  

A Assembleia reuniu suas principais lideranças e tocou fundo em questões importantes como a sustentabilidade da resposta ao racismo. Na ocasião, além de discutir a busca por recursos financeiros, a Assembleia aprovou o Relatório de Desempenho de 2021, com um discurso político marcado pela avaliação criteriosa dos passos dados até aqui. 

O ponto alto, avaliam os associados e associadas, foi o vídeo “Vacina Já para Todes!” que em abril de 2021 denunciava a ausência de vacina para todas as pessoas, particularmente na população negra, e estimulava as pessoas a se vacinarem.

Questões como maior articulação, organização comunitária, acesso à informação, condução política efervescente e formação de jovens lideranças são alguns entre os pontos que precisam de mais atenção, segundo a Assembleia, que reforçou o debate sobre organização comunitária em resposta ao racismo.

Espera-se para 2022, além de vacina para todes, uma resposta coletiva e mobilizadora dos movimentos sociais, para além da pandemia.

“O Cuidar nos Terreiros”

O “cuidar nos terreiros” conta com a participação de duas palestrantes, Makota Kidoiale e Ya Wanda d’Omolu, mulheres pretas que vêm pensando cuidado, direitos humanos, educação, terreiros e políticas outras para que nossa sociedade seja mais justa.

Fonte: Projeto Cabaça

O Novo Programa da Formação Cultural está com inscrições abertas até 10 de janeiro! 

Venha ser CRIA, o programa de inovação dos espaços culturais municipais pelo olhar da juventude periférica da cidade de São Paulo. Serão selecionados 101 jovens com ideias para projetos inovadores para a gestão pública cultural que potencializem os espaços e ampliem relações com os territórios. 

Leia aqui o edital, se inscrevam, curtam e compartilhem!

HIV/AIDS no Brasil: Dados epidemiológicos.

 

O “Boletim Epidemiológico HIV/Aids”, do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis, da Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde (DCCI/SVS/MS), publicado anualmente, apresenta informações sobre os casos de HIV e de aids no Brasil, regiões, estados e capitais.

Acesse aqui o Boletim Epidemiológico HIV/Aids de 2021, publicado pelo Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis do Ministério da Saúde.

Confira aqui os Dados Epidemiológicos de HIV/AIDS no Município de São Paulo. 

Mobilize-se!

As mulheres negras e suas famílias são as mais atingidas quando falamos sobre políticas básicas como educação, segurança alimentar e trabalho. Com a pandemia, as iniquidades se agravaram, expondo ainda mais a saúde reprodutiva das mulheres negras trans e cis, e violando o direito delas à saúde.
Não é possível falarmos sobre exercício de direitos reprodutivos dentro de um cenário de graves injustiças raciais e sociais. Precisamos de Justiça Reprodutiva para todes porque, sem justiça e redistribuição, não há exercício pleno de direitos!
Participe desta mobilização de Criola (@ongcriola) em torno do Dia Nacional de Mobilização pró-Saúde da População Negra e conte uma história real para mostrar como o #racismoadoece.

Recomendação de Leitura

Sobre a Presença/Ausência de dolo no crime de Genocídio: uma falsa polêmica ou um verdadeiro acordão?

Autor: Deivison Nkosi

Em meio à apresentação do Relatório da CPI da COVID-19 “a decisão dos Senadores foi a de recuar e isentar o Presidente da República desta responsabilidade. Diante do ocorrido o autor questiona “o que esse recuo nos diz sobre o Brasil, a CPI e o direito criminal”?

Leia o texto completo aqui!

21 anos do Fundo Brasil de Direitos Humanos

Com mais de 870 projetos de direitos humanos apoiadas e R$ 32,5 milhões de reais doados a grupos, coletivos e organizações de base de todas as partes do país, o Fundo Brasil completa 15 anos de atuação neste 2021. O vídeo “No Fundo, Eu Sou Você” lembra que direitos humanos são fundamentais para garantir a dignidade e a cidadania de todas as pessoas, sem exceção, e que defender esses direitos é defender todas as formas de existência e a própria democracia. Acompanhe esse debate: https://www.fundobrasil.org.br/

Produtora: Free Birdz

Redação e conceito: Kivitz e Fellipe dos Anjos

Design: Barros Ilustração: Bruno Oliveira

Motion: Guilherme Bento

Trilha e SFX: Wesley Camilo

Locução: Shirlena Marabilis, Rachel Daniel, Kivitz e Wesley Camilo.

Assista o vídeo aqui!

Resenha da Aliança

Outubro de 2021.

Nesse mês Outubro nos dedicamos mais uma vez às ações alusivas ao Dia Nacional de Mobilização Pró-Saúde da População Negra. Isso porque, o impacto do racismo na saúde gerou estudos, pesquisas, dados, análises diversas e outros investimentos importantes nos últimos anos, mas persiste em nossas realidades.

A Política Nacional de Atenção à Saúde da População Negra implantada pelo Ministério da Saúde (estabelecida pela portaria do Ministério da Saúde n.º 992/2009 e o Estatuto da Igualdade Racial em seus artigos 7.º e 8.º da Lei 12288/2010), requer a atuação conjunta entre sociedade civil, gestores e profissionais de saúde, no cenário em que estamos.

É importante considerar que o racismo persiste e é um importante determinante social, que permeia as relações interpessoais, os processos, decisões e investimentos em saúde, capaz de interromper as possibilidades de avanço na produção e promoção de saúde, além da prevenção de agravos.

Na atual cena política, é fundamental que os diferentes atores possam mergulhar na conjuntura e ao analisá-la, refletir sobre os passos a serem dados na relação com o Estado genocida e suas políticas que beneficiam uns em detrimento de outros.

Nesse contexto, é importante mergulhar na conjuntura, refletindo sobre a atuação dos movimentos sociais no futuro que se aproxima e os desafios que estão postos para o ano que se anuncia fervoroso diante das eleições. É importante lembrar que a discussão sobre racismo e sua relação com a saúde da população negra, demandam tomada de decisão em primeira instância, para além da pandemia de COVID-19.

A experiência nos diz que a interface entre saúde e educação é sempre muito produtiva, o que nos remete à formação de cidadãos, produção do conhecimento, formulação e implementação de políticas públicas, subsidiadas pelo conjunto de ações afirmativas, que vão para além do ingresso de estudantes negros às universidades, o que a gente tem visto como um resultado importante da intensa luta contra o racismo.

Compreendemos que o processo transformador, capaz de alterar a realidade das pessoas acontece aqui, no território vivo do qual somos partes e isso inclui a nossa relação com a Escola, que para muitos de nós é “a nossa segunda casa”.

A política normatiza a utilização do quesito raça/cor na coleta e produção de informações epidemiológicas para a definição de prioridades e tomada de decisão, em consonância com a aplicação da Portaria 344 de 2017 do Ministério da Saúde que dispõe sobre a obrigatoriedade do preenchimento do quesito raça/cor nos formulários dos sistemas de saúde; além da ampliação e fortalecimento do controle social em resposta ao racismo, e o desenvolvimento de ações e formas de identificação, abordagem, combate e prevenção do racismo institucional no acesso aos equipamentos de saúde, no ambiente de trabalho, nos processos de formação e educação permanente dos profissionais; e a implementação de ações afirmativas para alcançar a equidade em saúde e promover a igualdade racial.

Nossa busca permanente, mobilizando a sociedade civil, articulando-a com o poder público, disponibilizando ferramentas que fortaleçam sua atuação, visa garantir a efetivação do direito humano à saúde, considerando a importância da promoção, prevenção, atenção, tratamento e recuperação de doenças e agravos transmissíveis e não-transmissíveis, incluindo aqueles de maior prevalência para saúde integral da população negra.

Mobilize-se!

%d blogueiros gostam disto: